(19) 3634-3988 atendimento@ses.com.br

AMISTOSO COMEMORA OS 30 ANOS DE HELINHO NA ESPORTIVA

Hélio Batista Sérgio, o lendário Helinho. Assim é conhecido o técnico que comandou várias gerações de atletas no futebol da Esportiva. A história começou em 1987, quando o treinador, então comandante da equipe do São Benedito, foi convidado pelos diretores Pedro Zogbi e Cafunga para assumir a base dos Tigres da Mogiana.

Com a aceitação, veio também para a Esportiva um dos elencos mais fortes já vistos no clube. Formado, em sua maioria, por garotos já conhecidos de Helinho, o esquadrão ganhou força com a estrutura rubro-negra e começou uma sequência vitoriosa. Os atletas nascidos em 1978, por exemplo, ergueram a taça do Campeonato Regional, contra o Itatiba, fora de casa, nos pênaltis. Além disso, a Esportiva também ficou com a Taça TV São João da categoria juvenil, em 1994.

“Formamos um grupo vitorioso e o Helinho é como um pai para nós”, disse Fábio Caruzo, hoje advogado, participante da equipe.

Ao lado do presidente Foguinho, o técnico agradeceu pela oportunidade de reencontro: “Muitos aqui eu não via há uns 20 anos. É um momento muito especial para mim”, disse Helinho.

COMEMORAÇÃO

Para festejar as três décadas de Helinho na SES, seus ex-alunos fizeram um amistoso repleto de homenagens. Dentro de campo, os atletas nascidos nos anos de 75, 76 e 77 venceram, por 5 a 2, o combinado formado por jogadores de 78, 79 e 1980.

Fora das quatro linhas, os organizadores do evento lembraram a participação do diretor Cafunga na formação de atletas daquela época e também presentearam outros convidados com camisas comemorativas. Thiago Zogbi, capitão da primeira equipe de Helinho, recebeu homenagem em nome de seu pai, o ex-dirigente Pedro Zogbi.

HOMENAGENS PÓSTUMAS

Em um dos momentos emocionantes, os atletas lembraram de Flávio Galli, lateral esquerdo nascido em 1976, já falecido. A viúva Angela e sua filha Amanda receberam a camisa com a inscrição: #GALLIETERNO.

Emanuel Dutra, o conhecido Lico, zagueiro nascido em 1979, também não foi esquecido pelos colegas. Falecido precocemente, ele foi homenageado com outra camisa, recebida por sua mãe Luzia e por seu irmão, João Dutra.